domingo, 18 de novembro de 2012

CONTRA-CANALHAS

.

João Batista do Lago

Quanto tempo ainda restará
Para conviver com os canalhas?

Vive-se um tempo de batalha:
a Virtude é pura moeda rara!
Perdeu-se a vergonha da cara;
Falta coragem de usar a navalha.

Ó, República da vagabundalha,
República de miserável sorte,
Rasgaram-te as vestes da Ética (e)
Curvaram-te ante essa estética

Sangram-te, ó mãe, os canalhas!
Arrancar-te o Direito do peito é
Tudo que deseja a vagabundalha:
Nação inerte; prostrada ao leito.

Sangram-te, ó mãe, os canalhas!
Mas haverá dia que todo malfeito
Restará findo… restará morto…
A nação cativa se levantará do jugo

Então aí – o povo –, plebe ignara,
Tomará as rédeas do desatino e
Fará da nação cativa seu destino:
 República de Virtude, Ética e Direito.

Nota do blogue: Dedicamos este poema à CANALHA da ministra Emília Pires, que está a construir uma casa com o dinheiro do povo timorense, em Motael, no valor de 1.5 milhões de dólares americanos.

POUCA-VERGONHA  SUA CADELA NOJENTA, POUCA-VERGONHA! 
.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.