quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Supremacia de Emília Pires e Alfredo Pires através dos projetos G7+ e Taci Mane

.

Jornal Nacional Diário - 31 de outubro de 2012 - Opinião de Vicente Maubocy - Tradução de TIMOR HAU NIAN DOBEN 

Estes dois (Emília e Alfredo Pires) são inteligentes a usarem as oportunidades (oportunistas) e são inteligentes a chuparem o trabalho e o suor das outras pessoas (parasitas). 

Eles sentam-se nos seus gabinetes com ar condicionado, não fizeram nenhum esforço para a campanha e de repente a sorte cai-lhes do céu, penduram-se no irmão mais velho Xanana e saem ministra das Finanças e ministro do Petróleo, com a lei do menor esforço. A inteligente Máfia de Melbourne montou as suas estruturas, bem como grupos de pessoas para dominarem a política do V Governo, com os seus interesses privados em vista. 

Deste modo, as posições estratégicas como as Finanças, para fazerem a gestão do dinheiro, petróleo e gás, entrada de dinheiro e a Presidência do Conselho de Ministros, onde se discutem assuntos de alto nível e se tomam as decisões, estas pastas estão totalmente controladas pela Máfia de Melbourne.

 O clube da Máfia de Melbourne conhece as fraquezas do irmão Xanana e consequentemente, eles atingem os seus objetivos desejados. Os factos e as evidências é que falam por si das manobras e das manipulações deles. 

Vamos então analisar as pegadas da Máfia de Melbourne 

Emília Pires como ministra das Finanças, desde 2010 até hoje está a tentar apropriar-se dos grupos G7+, como se este fosse um projeto pessoa,l para demonstrar o seu desempenho dentro do país e no estrangeiro. Dentro do país, ela quer convencer o primeiro-ministro Kay Rala Xanana Gusmão e ainda ganhar a confiança do irmão mais velho Xanana e tentar impor os interesses da Emília Pires no governo e também dos que pertencem ao Clube de Comparsas de Melbourne. Eles procuram principalmente manipular e dominar os setores estratégicos da economia do Estado, como as finanças e o petróleo, através da gestão do Fundo Petrolífero. 

Fazem tentativas para convencerem a comunidade internacional através das instituições financeiras, como o Banco Mundial. Estas estratégias são para ganhar a confiança, por isso eles usam a bandeira do combate à pobreza principalmente através da instituição g7+, para que deste modo, mais tarde ela poder ocupar algum lugar como gerente no Banco Mundial, porque a Emília Pires também quer seguir os passos da ex-ministra das Finanças da Indonésia, Sri Mulyany, que neste momento ocupa o cargo de gerente no Banco Mundial. 

Emília Pires consegue atingir os seus objetivos, porque ela vende os seus propósitos através do g7+, e depois o secretário-geral da ONU convidou-a para fazer parte do painel das personalidades mundiais, para a continuação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio. 

O Ágio Pereira apropriou-se do cargo de porta-voz do governo, para emitir comunicados a louvar a Emília Pires. Enquanto os outros membros do governo, que não pertencem ao grupo deles, mas que conseguem atingir bons objetivos dentro do programa do governo, estes não merecem nenhuma atenção nos comunicados do governo. Pior ainda, existem manipulações nas decisões tomadas no Conselho de Ministros , decidem uma coisa e a redação final que mandam para o Presidente da República para ser promulgada no Jornal da República, é outra. 

Há muitos exemplos, como o do arrendamento que o Estado concedeu à ENSUL, para esta empresa explorar o espaço físico da SAPT durante 99 anos, a ex-ministra da Justiça pediu para este assunto ser agendado para ser debatido, mas o Ágio Pereira não autorizou. Outro exemplo, a nomeação provisória do cargo de Presidente do Conselho de Administração da RRTL-EP tinha a duração até um novo governo ser formado, isto significa que o V Governo tem que nomear já um novo Presidente do Conselho de Administração, mas na realidade o texto que consta no Jornal da República está escrito assim, " O mandato do Sr. Expedito tem a duração de quatro anos (ver Jornal da República). 

As manipulações da Emília Pires 

Os resultados da ambição de Emília Pires são: ela retirou o cargo e a pasta que na verdade deveria de pertencer ao ministério dos Negócios Estrangeiros ( MNE) , mas esta encontra-se na na posse da Emília Pires, que é ministra das Finanças, ela é quem faz o trabalho do MNE. Este ministério tem a função de executar a política externa, cujo os programas e as práticas deveriam estar de acordo com o interesse nacional e de acordo com a Constituição da RDTL. 

Esta situação seria normal se há uns anos o ministro dos Negócios Estrangeiros, Zacarias da Costa, não tivesse confrontado a Emília Pires e o Clube de Melbourne através do seu maestro ou grande chefe, Ágio Pereira, que quis brincar com o Zacarias e envolveram o velho Xanana, que confrontou diretamente o Zacarias por causa dos interesses do Clube de Melbourne. 

A Emília Pires até foi fazer um "lobby" no Instituto de Formação de Informação Tecnológica na Índia, para mandar os estudantes timorenses estudarem naquela instituição, que não tem reconhecimento. Mais grave ainda, a Emília Pires mandou os seus diretores-gerais assinarem, este ato viola as regras protocolares do Estado quando se assinam acordos entres Estados e existem o ministro e o vice-ministro das Finanças. 

A pequenina recompensa que a diretora-geral, Santina Cardoso, obteve por ter feito favores à Emília Pires foi o cargo de vice-ministra das Finanças, para ela se impor perante o velho Xanana. 

Com o V Governo Constitucional, José Luís Guterres como Ministro dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, ele não tem poderes, porque ele já não está incumbido da política externa, ele apenas marca presença nos convites que lhe foram feitos e participa nos eventos que a comunidade internacional decide e de acordo com os interesses e as estratégias deles. 

Enquanto a Emília Pires apropriou-se da pasta ministerial que está encarregue da política externa de Timor-Leste, ela é que vende o modelo e resolve todos os nossos problemas no mundo, o modelo de desenvolvimento é através do do G7+. Para dentro do país, a Emília Pires, Ágio Pereira e os do Clube de Melbourne, eles apenas procuram pendurarem-se no irmão Xanana ou então vendem o nome dele para atingirem os seus objetivos e os interesses económicos deles. 

Do assunto mais pequeno ao maior, quando se chega ao momento importante, eles são quem decidem. Por exemplo: na formação do V Governo Constitucional, o Clube de Melbourne não fez parte nem nenhum esforço na campanha eleitoral. A estrutura do CNRT trabalhou imenso, e depois a própria estrutura do CNRT não tomou nenhuma decisão, foi o Clube de Melbourne, Ágio Pereira, Emília Pires e os grupos quem decidiram tudo. 

Dionísio Babo é o secretário-geral do partido ( CNRT), mas na verdade, o secretário-geral do partido é o Ágio Pereira e a adjunta é a Emília Pires. A lista que chegou às mãos do irmão Xanana foi elaborada pelo Ágio Pereira, Emília Pires e pelo Clube de Melbourne. As estruturas que o executivo do partido CNRT elaborou nem uma chegou às mãos do Xanana, é natural que eles procurem isolarem o irmão Xanana das estruturas do partido CNRT, da Comissão Politica bem como dos grupos que apoiam o irmão Xanana. 

O V Governo mostra mesmo que o Clube da Máfia de Melbourne é quem consolida o poder deles na política, porque ocupam cargos grandes: Ágio Pereira é ministro do Estado e da Presidência do Conselho de Ministros, Emília Pires, ministra das Finanças e ela reforça ainda mais o seu poder através do antigo ministério da Economia e Desenvolvimento que era liderado pelo João Gonçalves, o Alfredo Pires que era secretário de Estado subiu para ministro, aumenta ainda mais a sua posição forte e decisiva para determinar os grandes projetos como o Taci Mane, Greater Sunrise e ainda outros. 

O Clube da Máfia de Melbourne procura pôr as suas pessoas em todos os lugares e nos setores chaves da economia, o pessoal deles é quem toma conta como o Fundo Petrolífero, ANP, Timor Gap, FCDH, CNA, etc. 

O grupo do Clube da Máfia de Melbourne tentaram também alocar mais 200 milhões de dólares americanos para o OGE de 2012 ( leiam o artigo seguinte) com o pretexto de diversificar o investimento do Fundo Petrolífero, mas eles fazem também operações na bolsa do mercado internacional. 

A Emília Pires e o Clube da Máfia de Melbourne dela também põem as suas pessoas ou agentes em todos os ministérios, principalmente no gabinete do PM, nos momentos certos. Emília Pires, Alfredo Pires e o Ágio Pereira antes de se reunirem com o PM para lhe imporem a sua vontade ou para algum projeto, eles primeiro telefonam para a Elisabete Exposto e perguntam, " O PM está bem-disposto ou não?". Se a Elisabete Exposto diz que, " O PM está bem-disposto", eles aparecem e vão expor as suas ideias ao PM Kai Rala Xanana Gusmão. Um exemplo concreto foi como construir o Porto de Hera, e mais. 

Emília Pires, Alfredo Pires e o grupo do Clube da Máfia de Melbourne têm um tratamento especial, como aconteceu no Orçamento do Estado, quando se apresentou o Orçamento Retificativo ( OR) para discussão, os membros do governo não podiam ir para o estrangeiro, mas o Clube de Melbourne do V Governo Constitucional foram passar férias no estrangeiro, a Emília Pires como ministra das Finanças, em vez de ficar no país para defender o orçamento, ela foi para o estrangeiro. 

O debate do OR ainda não tinha terminado mas o Ágio Pereira foi para o estrangeiro, o Alfredo Pires e o Clube de Melbourne foram passar férias em Nusa Dua Bali , enquanto os outros membros do governo ficaram firmes no Parlamento a receberem as críticas dos membros do Parlamento. 

A Emília Pires consegue impor a sua vontade e a sua ambição através da apropriação do g7+, para se promover pessoalmente, para que possa conseguir um cargo numa instituição financeira internacional. Ela aproveita-se também da confiança do PM Kay Rala Xanana Gusmão e dos recursos que existem em termos financeiros e técnicos para fazer as atividades do g7+. 

Helder da Costa, um intelectual que tem um doutoramento, é o mestre-de-cerimónias e trabalha para promover a imagem da Emília Pires, para que ela possa ganhar prestigio e nome, para a promover pessoalmente nas instituições financeiras internacionais, principalmente para ela obter um cargo no Banco Mundial. 

A evidência desta promoção foi no dia 1 de outubro de 2012, no programa "Four Corners", na cadeia  de televisão australiana, ABC, a Emília Pires deu a cara e falou dos impostos das receitas do Bayu Udan que a ConocoPhillips ainda não pagou, no valor de três milhões de dólares. 

Eu acho que foi um grande disparate. Porquê que só agora é que se assustaram? Durante cinco anos, as equipas da Emília Pires e do Alfredo Pires não se preocuparam? A equipa dos impostos do ministério das Finanças e os contabilistas da ANP supervisionaram semanalmente, mensalmente ou anualmente a quantidade de produção ou não? Mais irónico ainda, nós solicitamos os dados de produção, e a reconciliação com as receitas não são correspondentes. 

Depois, nós pedimos à Austrália e este país disse que a ANP é que sabe ( grande confusão). Depois, uma senhora australiana do " Resource Department" veio encontrar-se com a Emília Pires e perguntou pela quantidade de produção e a Emília disse: " eu não sei" ( grande disparate). Ela deveria de ter dito, " a quantidade exata, depois é que eu mando fazer a consulta com a divisão competente", isto significa que a Emília Pires tem " o cérebro vazio". 

O Alfredo foi para Suai com o helicóptero das Nações Unidas com o jornalista da cadeia da televisão australiana, ABC, e andou a fazer propaganda para o mega projeto Taci Mane. Depois foi para Hera e mostrou a central elétrica para dizer que o gasoduto de Bayu Udan é que fornece o gás. Mais ridículo ainda, o Alfredo promoveu a central elétrica de Hera como se fosse um projeto que está sob a alçada do seu ministério. 

De acordo com os protocolos, devia-se de ter convidado o secretário de Estado da Eletricidade porque o projeto da eletricidade pertence ao departamento do Januário. Eu questionei o Januário e ele disse-me, " mano, eu não sei". Eu disse ao Januário, " vocês tenham cuidado com o Clube da Máfia de Melbourne, senão eles fazem de nós como " pedaços de frango". 

Como na horta, " nós limpamos, plantamos, colhemos, levamos para casa, cozinhamos e depois o Clube da Máfia de Melbourne vem arrancar de nós e eles é que comem todos contentes" e nós comemos o vento para ficarmos com a barriga inchada depois ficamos doentes e morrermos à toa". 

Eu não sei como é que o Alfredo trouxe o gás do Beasu para Hera, transportou com quê? Num cano, barco ou num carro? 

Neste aspeto, o conceito ainda não está claro. Como é que há sucesso? Eu tenho muitas dúvidas da capacidade do Alfredo de levar a avante e com sucesso o projeto Taci Mane. No artigo que se segue eu descrevo com pormenores o Insucesso do projeto Taci Mane, para os leitores apreciarem e avaliarem. 

" A prática é o critério da verdade", os atos valem mais do que os pensamentos, isto reforça e confirma que a Máfia de Melbourne que está no V Governo  a estas horas domina os setores estratégicos como as : Finanças, Petróleo, Presidência do Conselho de Ministros. Onde se planeiam os assuntos importantes da nação, estes departamentos  estão todos sob a alçada da Máfia de Melbourne. 

Eu vejo que há membros do governo que são inteligentes, contudo, não são corajosos para enfrentarem o grupo do Clube da Máfia de Melbourne. 

Como é que se vai combater as manipulações do Clube da Máfia de Melbourne? 

É da responsabilidade dos parlamentares, políticos, académicos, empresários e da sociedade civil de se juntarem e com a cabeça, fala e ação: nós juntos vamos conseguir derrubá-los. 
.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.