sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

LÚCIA LOBATO DEIXOU A CELA ONDE ESTEVE DETIDA DESDE ONTEM

.

TIMOR HAU NIAN DOBEN - 28 de dezembro de 2012

A ex ministra da Justiça, Lúcia Lobato, já deixou a cela da polícia distrital de Díli, onde se encontrava detida desde ontem, anunciou a TVTL na sua página do Facebook.

De acordo com a mesma fonte, "... a Policia Nacional de Timor-Leste autorizou Lobato a voltar para casa, após o Tribunal Distrital de Díli lhe ter aplicado o Termo de Identidade e Residência".

O advogado da ex titular da pasta da Justiça, Pedro Aparício, em declarações ontem à TVTL disse que, foi interposto um recurso extraordinário e que este deu entrada e foi registado às quatro da tarde de ontem. O causídico acusou ainda os tribunais timorenses de estarem a fazer " perseguição política à sua cliente" porque a detenção de Lúcia Lobato foi ilegal e inconstitucional.

"Esta decisão feita pelo tribunal é inconstitucional e ilegal porque este processo já foi iniciado e a decisão proferida pelo Tribunal de Recurso não vale, é contrária à Constituição, não tem valor, porque ainda há imunidade, se isto acontecer, nós podemos dizer que os tribunais em Timor fazem perseguição política", declarou Pedro Aparício à TVTL.

Lúcia Lobato foi sentenciada pelo Tribunal Distrital de Díli a uma pena de prisão de cinco anos por crimes de corrupção, a ex ministra da Justiça recorreu desta sentença, todavia, o Tribunal de Recurso confirmou a sentença da judicatura de primeira instância.

A suspeita da prática da corrupção dentro do atual governo paira ainda sobre os ombros de alguns ministros chave do executivo de Gusmão, nomeadamente no do ministro da Agricultura, Mariano Assanami Sabino, e recentemente sobre o da responsável da pasta das Finanças, Emília Pires.

Ainda não foi tornado público se ambos os ministros acima mencionados estão ou não a ser investigados pela Comissão Anticorrupção, pelos alegados atos de corrupção de que são acusados.

Relacionado: PNTL capturou a antiga MJ - "Advogado de Lúcia Lobato considera que os tribunais de Timor fazem perseguição política"
.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.