quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Alkatiri: " Governo falhou o negócio do gasoduto do Greater Sunrise"

.

Jornal Independente - Quarta-Feira, 30 de janeiro de 2013 - Tradução de TIMOR HAU NIAN DOBEN

O secretário-geral da Fretilin, Dr. Mari Alkatiri, disse que o governo liderado pelo primeiro-ministro, Xanana Gusmão, foi " impotente" a fazer as negociações para trazer o gasoduto do "Greater Sunrise" para Timor-Leste.

O acordo CMATS que foi feito entre o governo da Fretilin e o australiano em Janeiro de 2006, e que foi ratificado no Parlamento Nacional em 2007 com a maioria dos votos a favor, vai caducar no dia 23 de fevereiro, mas o gasoduto do " Greater Sunrise" ainda não veio (para Timor-Leste).

O acordo CMATS que foi efetuado entre o governo da Fretilin e o da Austrália foi para estabelecer a exploração do petróleo e do gás no campo petrolífero do " Gretaer Sunrise" e definiu que, quando for explorado os dois países (Timor-Leste e a Austrália) cada um terá direito a 50 por cento.

"Eu fiz este acordo e deixei para eles, eles é que sabem o quê que vão fazer", disse Alkatiri ontem, no Parlamento Nacional.

Apesar dos dois governos ainda não terem declarado as suas posições, se continua ou deixam prescrever (o acordo), Mari Alkatiri disse que se este acordo caducar, o gasoduto do " Greater Sunrise" não virá para Timor-Leste, como é o sonho do povo timorense.

"Se este acordo expirar, o gasoduto do " Greater Sunrise já não vem (para Timor) ", disse o ex-primeiro-ministro do I Governo Constitucional.

 Se se deixa prescrever ou se continua, Alkatiri disse que é da responsabilidade do governo liderado pelo primeiro-ministro Xanana Gusmão, porque são eles quem estão a governar.

"Isto depende, quem governa é quem faz a negociação", disse Alaktiri.

O ministro do Petróleo e Minerais, Alfredo Pires, disse que Timor- Leste irá declarar a sua posição quando o Tratado CMATS prescrever, o que será brevemente.

Alfredo declarou que, o que for que surgir após este Tratado, a posição de Timor-Leste é a de que o gasoduto do " Greater Sunrise" tem de vir para o país.

"A qualquer momento nós podemos declarar, nós podemos dizer em 20 de maio ou em 28 de novembro, apenas depende", disse o ministro do Petróleo, Alfredo Pires.

Ele disse ainda que, " Eu ainda vou pedir ao primeiro-ministro, Xanana Gusmão, para em tempo oportuno falarmos e clarificarmos a posição de Timor-Leste em relação ao CMATS".

Apesar de até agora o " Greater Sunrise" ainda não ter vindo para o país, Alfredo disse que existem alguns progressos.

"Antes de entrarmos para o governo, as pessoas falavam muito de o gasoduto ir para a Austrália, nós entramos para o governo e nós defendemos a opção de de ir para Darwin, na Austrália, porque o gasoduto de Bayu Undang já lá estava", declarou Alfredo.

Depois a companhia Woodside apresentou a opção de uma plataforma flutuante, mas o governo mantém a sua posição de que o gasoduto tem de vir para Timor-Leste. Neste momento a companhia Woodside está pronta para discutir a opção de Timor, de que o gasoduto do "Greater Sunrise" pode vir paraTimor-Leste.

"Mas agora a Woodside vai discutir connosco e nós vamos ver a posição de Timor-Leste", disse.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.