sábado, 26 de janeiro de 2013

Residência da ministra das Finanças gera discriminação - Apelos à CAC para investigar

.

Jornal Nacional Diário - Sexta-feira, 25 de janeiro de 2013 - Tradução de TIMOR HAU NIAN DOBEN

A residência da ministra das Finanças, Emília Pires, que é de uma arquitetura luxuosa, demonstra claramente a discriminação entre a titular da pasta das Finanças e os restantes membros do governo.

A nova habitação da ministra das Finanças situada no Palapaso, a sua construção continua apesar de já ter sido criticada pela sociedade e pelos deputados ao Parlamento Nacional.

"Esta casa que se está a construir para a ministra das Finanças é a maior do que todas as casas desta nação? Se fosse eu quem chefiasse este governo, esta ministra das Finanças teria apenas um secretário de Estado. O próprio Presidente da República não tem uma casa de luxo como a que está em construção para a ministra das Finanças, como é que a ministra tem o direito de ter uma casa destas de luxo, qual foi o critério baseado para fazerem isto? Porquê que não constroem uma casa igual para todos os ministros?", Declarou o ex-vice-primeiro-ministro, Mário Viegas Carrascalão, ao JNDiário, no Hotel Timor.

De acordo com Mário Viegas Carrascalão, a política referida (a da construção da casa de Emília Pires) gera discriminação interna entre os servidores do Estado, ele questiona: porquê que não usaram este dinheiro para construir um edifício para os membros deste novo governo, uma vez que eles não têm um lugar digno para efetuarem os seus trabalhos?

Mário Carrascalão pergunta, como é que nós vamos avaliar os membros do governo, se o próprio executivo não dá boas condições para os membros do governo realizarem os seus trabalhos, de acordo com um plano que já foi estabelecido?

Por outro lado, o deputado da bancada da Fretilin, Francisco Miranda Branco, afirmou que a realidade em Timor-Leste é a de que o Presidente da República, ex-titulares e os outros membros do governo não têm uma residência de luxo como a da ministra Emília Pires e por este motivo é necessário realizar-se uma investigação profunda, para este tratamento especial.

"A corrupção está agora a crescer abundantemente, nós não sabemos o paradeiro de milhões e milhões de dólares, por este motivo toda a sociedade tem de usar a cabeça e estar de olhos vivos para controlar", declarou o deputado Francisco Miranda Branco.

O diretor da Organização Não Governamental Luta Hamutuk, Mericio Akara, pediu à Comissão Anticorrupção (CAC) para realizar uma investigação à ministra das Finanças, Emília Pires, em relação ao conflito de interesses e nele está incluído a residência dela que já está a originar desconfianças.

Mericio disse que, a ministra das Finanças é uma entidade que detém e gere o dinheiro deste país e por isso quando pratica a corrupção ou o conflito de interesses como por exemplo, dar o projeto para o seu marido, filho ou irmãos, este ato é proibido de acordo com a lei de Timor- Leste por esta razão é necessário que a CAC faça uma investigação profunda para estes casos referidos que envolvem a Emília Pires.

"Eu penso que este caso já está a ser investigado e eu acredito que o primeiro-ministro Xanana Gusmão não vai fechar os olhos, eu acredito que a Emília vai para a cadeia se ela praticou mesmo este ato de corrupção, a questão agora é esta, nós ainda estamos à espera do processo de investigação da CAC e do Ministério Público, eles ainda estão a reunir os dados", sublinhou Mericio Akara.

Relativamente à residência da ministra das Finanças Mericio Akara disse que, a CAC tem mesmo de fazer uma investigação, porque existem desconfianças de que para esta construção foi utilizado o dinheiro do Estado.

"Podem gerar desconfianças porque todos nós sabemos que o primeiro-ministro Xanana Gusmão, o Presidente da República Taur Matan Ruak bem como os outros ministros em Timor ainda não construíram casas mais luxuosas do que esta," declarou Mericio Akara com desconfiança.

Mericio questionou ainda, porquê que este dinheiro que foi utilizado pela ministra das Finanças não foi usado para reparar os edifícios da Policia Nacional de Timor Leste (PNTL)? Desde a independência até agora que muitos edifícios da PNTL não têm condições, por este motivo a CAC tem de investigar, se forem encontradas provas, um dia a ministra das Finanças, Emília Pires, vai seguir a ex-ministra da Justiça Lúcia Lobato e vai para a prisão de Gleno. 

.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.