quarta-feira, 23 de julho de 2014

Guiné Equatorial já está na CPLP… e em francês

.


O governo da Guiné Equatorial anunciou de forma unilateral a sua adesão à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). O problema é que a proposta só será votada na quarta-feira, em Dili.

A República da Guiné Equatorial anunciou esta terça-feira que já é um membro com “plenos direitos” da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). “Tudo está confirmado”, lê-se até no texto publicado no site oficial do governo da nação africana, onde consta também que os membros da comunidade “decidiram, por consenso, atribuir o estatuto de membro permanente” à Guiné Equatorial. Só há um problema — a votação da proposta de adesão do país africano apenas se realizará na quarta-feira, em Dili, capital timorense onde se realizará a X Cimeira da organização.

O texto foi escrito em francês que, a par do castelhano, é uma das línguas oficiais do país africano. Nele, o governo da Guiné Equatorial refere também que, na quarta-feira, se concretizará um “evento marcante na história do povo” da nação africana — o português “tornar-se-á na terceira língua oficial” do país.

Isto quando uma das condições para qualquer nação aderir à CPLP como membro permanente é ter o português como um dos idiomas oficiais. Na página onde foi publicado o anúncio, aliás, existe a possibilidade de traduzir o texto: mas apenas para castelhano ou inglês.

Desde 2006 que a Guiné Equatorial é apenas um membro observador da comunidade, juntamente com o Senegal e a Ilha Maurício — ou seja, os únicos países sem o português como a ou uma das línguas oficiais.
Em junho de 2010, a Guiné Equatorial tinha já requerido a adesão como membro permanente. Esta adesão deverá confirmar-se amanhã, mas a antecipação de forma unilateral parece confirmar a pouca preocupação dos responsáveis do país pelo voto democrático e livre.
.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.