quarta-feira, 13 de maio de 2015

Amnistia denuncia prisões e maus-tratos em operação conjunta em Timor-Leste

.

Díli, 13 mai (Lusa) - A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje a detenção arbitrária e os maus-tratos de dezenas de pessoas durante a operação conjunta da polícia e forças armadas timorenses que decorre desde 23 de março na metade leste de Timor-Leste.

Num comunicado em que cita organizações não-governamentais timorenses, a AI diz que as detenções ocorreram no distrito de Baucau, a leste de Díli, "havendo preocupações sobre a segurança" dos detidos.

"As forças de segurança timorenses detiveram arbitrariamente e alegadamente torturaram ou maltrataram dezenas de indivíduos em Laga e Baguia nos últimos meses", explica o comunicado.

"Estes incidentes ocorreram como parte de uma série de operações de segurança conjuntas da polícia e das forças armadas para capturar Mauk Moruk (Paulino Gama) e os seus seguidores", refere.

Não foi possível à agência Lusa, até ao momento, obter uma reação do Governo timorense sobre a acusação da AI.

Em comunicados recentes, organizações timorenses, incluindo a Fundasaun Mahein (FM), relataram o que definem como "informação incrível de uma instituição credível" de que "o número de vítimas inocentes da operação conjunta está a aumentar".

Em concreto a FM refere que a operação, de nome código Hanita e com um custo que já ultrapassa os dois milhões de dólares, "se tem caracterizado pela agressão das forças de segurança".

"Vítimas inocentes estão a sofrer danos colaterais da operação Hanita: controlos nas estradas, verificações de identidade, revistas a casas, destruição de bens comunitários e cortar o cabelo a homens com cabelo comprido", refere a organização.

A AI refere que há documentados "dezenas de casos" de indivíduos, acusados de ser seguidores de Mauk Moruk, que foram "pontapeados e espancados repetidamente pelas forças de segurança, durante a sua detenção".

O Governo explicou em março que aprovou a operação conjunta entre as Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) e a Polícia nacional de Timor-Leste (PNTL) para "prevenir e reprimir ações criminosas de grupos ilegais que estão a causar instabilidade no país".

Segundo as autoridades, esta operação conjunta é uma resposta aos ataques contra agentes da polícia ocorridos em Laga, a leste da capital, a 15 de janeiro, e em Baguia, a sudoeste de Díli, a 08 de março passados.

O Governo garantiu que as F-FDTL e a PNTL vão "atuar com profissionalismo e dentro das suas rigorosas e já estabelecidas regras de empenhamento de forma a responder a elementos de crime organizado, identificados, que têm como objetivo criar instabilidade no país".

ASP // JCS

Lusa/fim
.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.