terça-feira, 22 de dezembro de 2015

"O ANJO DE TIMOR" - FELIZ NATAL, SENHORES LEITORES!

.

Em nome dos membros do Timor Hau Nian Doben, eu venho desejar um Bom Natal aos nossos queridíssimos leitores. 

Nesta quadra natalícia, que o verdadeiro espírito do Natal esteja presente dentro dos nossos corações, para que, não nos esqueçamos que muitas pessoas espalhadas por todo o mundo, celebram o nascimento de Jesus Cristo com fome, sem-abrigo e a sofrer, entre estas pessoas encontram-se milhares de timorenses - nossos irmãos. 

Aproveito também para agradecer aos queridos leitores as visitas que nos fizeram e também o apoio à nossa nova página no Facebook que é, modéstia à parte, um sucesso! 

Deixo-vos aqui uma prendinha ;), um conto de Sophia de Mello Breyner Andresen muito bonito e peço que rezem comigo a oração que Sophia tão bem escreveu, dedicada a este povo heroico, nobre, mas que continua a sofrer tanto. Obrigada pelo livro, André!

Feliz Natal, senhores leitores! Beijos e abraços para todos vocês. 

Zizi Pedruco
.
Foto de Zizi Pedruco
Sophia de Mello Breyner Andresen in, "O Anjo de Timor"

Há muitos, muitos anos, em Timor, vivia um liurai muito poderoso e muito bom. Na sua juventude, resolveu ir correr mundo, para se tornar mais sábio. 

Foi viajando de barco, de ilha em ilha, até chegar a uma terra distante. Ali, um dia, conheceu um mercador vindo de muito longe, dos países do lado do poente, e que também ele andava há longos anos em viagem. 

Esse mercador contou-lhe que, na sua viagem, tinha ouvido contar que, ainda muito mais longe, para além das montanhas, oceanos e dos imensos desertos de areia, vivia um povo que adorava um Deus único e todo-poderoso, criador de todas as coisas e do próprio homem. Acredita que o seu Deus, um dia, descerá à Terra para salvar todos os homens. 

- Quero ir ao país onde mora esse povo - disse o timorense. 

- Quero ouvir mais notícias do Deus que um dia descerá dos céus e viverá entre nós. 
- Ai, é impossível - respondeu o mercador. 
- Esse país fica tão longe que, mesmo se viajasses a tua vida inteira, não conseguirias lá chegar.

E assim ficaram falando toda a noite, mas, no dia seguinte, o mercador partiu de barco para a sua terra. Quando o barco desapareceu ao longe, o liurai pensou: 

- Já vi tantos lugares e tantos povos, mas não posso encontrar o povo que adora o Deus único, porque, mesmo que viajasse a vida inteira, não conseguiria lá chegar. Por isso, de que me serve viajar mais? E voltou para a sua terra. 

Foi uma viagem longa, comprida e difícil. Quando chegou à sua casa era alta noite e já todos dormiam. Estava tão cansado que, mal entrou, adormeceu estendido no chão. E enquanto dormia, ouviu em sonhos uma voz que lhe disse que esperasse, esperasse sempre, pois um dia, a meio da noite, Deus lhe mandaria um sinal. 

Na manhã seguinte, a família do liurai recebeu-o com grande alegria, porque a viagem durara anos e anos, e já ninguém sabia se ele era vivo ou morto. Os seus pais mandaram chamar parentes e amigos e nessa tarde todos cantaram e dançaram para festejar o seu regresso. Mas quando todos partiram e os que moravam com ele adormeceram, o liurai foi-se sentar à porta da sua casa, à espera do sinal de Deus. Ali ficou, mudo e atento, e só depois do meio da noite foi dormir. Daí em diante, foi sempre assim. 

Durante o dia, o liurai encontrava-se com os seus amigos e parentes e presidia à vida e aos trabalhos da população. Era um chefe amado e respeitado, porque era bom, justo e sábio. Mas à noite, quando todos tinham adormecido, sentava-se de novo sozinho, à porta da sua casa, à espera de um sinal de Deus. Escutava os barulhos da noite, o suspiro do vento nas árvores, a voz do mar ao longe, respirava os perfumes da noite - cheiro da terra, aroma das flores, aroma do sândalo, cheiro distante do mar. Olhava sem fim o brilho das estrelas. 

À medida que os anos passaram, ia envelhecendo, mas todas as noites se sentava à entrada da sua casa, à espera do sinal de Deus. Pousava sempre ao seu lado a pequena caixa de sândalo, que tinha lá dentro as pedrinhas com as quais na sua infância jogava o hanacaleic. E, de vez em quando, abria pequenas poças na terra e, como na sua infância, brincava com as pedras do caleic. 

Mas às vezes tinha medo da noite e sentia-se sozinho, como se Deus não o estivesse a ver. Então dizia: - Meu Deus, não me abandones. Vê-me. 

E numa noite assim, quando ele se sentia tão cansado e tão só, mais uma vez levantou a cabeça e olhou para as estrelas. Então viu levantar-se do Oriente uma grande estrela claríssima e luminosa que, muito devagar, atravessava o céu. E o universo inteiro ficou mudo e atento. De súbito, uma voz altíssima cantou: - Glória a Deus nas alturas e paz na Terra aos homens de boa vontade. E o liurai viu na sua frente um jovem todo vestido de luz. E reconheceu que ele era o mensageiro de Deus, porque na sua cara brilhava uma alegria imensa. 

E o jovem disse: 

- Sou o Anjo de Timor. Alegra-te, liurai, porque o Deus que tanto tens esperado se fez homem e desceu hoje à terra. É uma criança recém-nascida e está deitado num curral de animais, em cima de um molho de palha. Mas todos os anjos lhe cantam louvor e em breve chegarão os pastores para o adorar. E dentro de poucos dias chegarão os três reis magos do Oriente, que vêm seguindo a estrela. 

Eles, de joelhos, adorarão o Menino e cada um lhe há-de oferecer um presente. Gaspar traz uma caixa com oiro, Melchior uma caixa com mirra e Baltasar uma caixa com incenso. 

- Quero ir com eles, exclamou o chefe timorense. 

- É impossível. Belém fica tão longe que, nem que caminhasses a tua vida inteira, lá chegarias. - Então tu, anjo, que és mais rápido que o pensamento, leva o meu presente ao Menino. É uma caixa de sândalo que tem lá dentro as pedras com que eu brincava ao caleic quando era pequeno. 

O Anjo tomou a caixa nas mãos e disse: 

- Ainda bem que te lembraste de Lhe mandar um brinquedo. Quando os reis magos chegarem a Belém, eu estarei com eles e poisarei a tua caixa em frente do Menino! Mal o Anjo desapareceu, o liurai encostou-se a um pilar da sua casa e adormeceu na paz do Senhor. 

A partir de então, sempre que se celebra o Natal, o anjo de Timor ajoelhase ao lado dos reis magos, em frente ao presépio que há no céu, e oferece ao Menino o presente do velho liurai. 

Este Natal, de novo, o Anjo de Timor se ajoelhou e ofereceu uma vez mais a caixa de sândalo e as pedras do caleic: 

- Menino Deus, Príncipe da Paz, Deus todo Poderoso, lembra-Te do povo de Timor que por Ti foi confiado à minha guarda. Escuta as suas preces, vê o seu sofrimento. Vê como não cessam de Te invocar, mesmo no meio do massacre. Senhor, libertai-os do seu cativeiro, dai-lhes a paz, a justiça, a liberdade. Dai-lhes a plenitude da Vossa Graça. 

Glória a Ti, Senhor!
.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.